viva uma vida da qual você se orgulhe

viva uma vida da qual você se orgulhe, disse alguém pra mim em algum momento não lembro muito bem qual. viva uma vida da qual você se orgulhe, disse alguém pra mim quando eu entrava às oito da manhã num emprego merda num lugar que eu odiava pra obedecer ordens de uma pessoa que me odiava mais do que eu odiava trabalhar naquele lugar onde eu entrava às oito. viva uma vida da qual você se orgulhe, disse alguém pra mim ao mencionar que deus tinha planos melhores e que tudo isso, essas coisas e pessoas e horários e lugares, faziam parte de uma coisa bem maior que um dia eu ia ver só. viva uma vida da qual você se orgulhe, disse alguém no momento em que eu pisei no lugar mais legal do mundo pra ouvir o som mais legal do mundo dos cantores e musicistas mais legais do mundo e tudo o que há de mais legal no mundo — e ali eu me orgulhei. viva uma vida da qual você se orgulhe, disse alguém com as mãos segurando as minhas assim como conchas como seguramos as mãos de quem queremos que entenda nosso ponto olhando nos nos nossos olhos. viva uma vida da qual você se orgulhe. um dia me disseram.

um dia vou viver. rir muito alto na sala de alguma amiga que terá sempre um vinho guardado pra um dia como esse. dançar depois do expediente. maratonar uma série abraçada no pescoço mais cheiroso desse mundo. morrer de suar numa terça-feira fria. cantar num karaokê. acender um cigarro no fim do dia e apoiar os antebraços nos joelhos pra lembrar que a vida pode ser boa, sim. dar um gole numa cerveja bem geladinha depois de terminar de escrever alguma coisa realmente muito boa. pintar as unhas e acertar o lugar certo que o palito precisa entrar pra não se perder pela unha e acabar fazendo um risco sem esmalte bem no cantinho. fechar a torneira sempre completamente pra não precisar levantar pra fechar de novo depois. ir no dentista ver essa obturação. voltar a correr. fazer aula de dança. aprender a dirigir. terminar de escrever um livro. gravar uma música. mudar a armação do óculos que já tá fazendo hora extra. aprender a tocar bossa nova no violão, só pra mim. cantar que eu preciso dizer que te amo pra mulher que eu amo no fim de um dia difícil. descobrir um jeito fácil de ajudá-la no fim de um dia difícil. bordar. arrumar a cama todos os dias de manhã. acertar o ponto do café. e dar risada das pedras do caminho que, numa vida que eu me orgulho, claramente formarão um sorrisinho simpático quando vistas de cima.

viva uma vida da qual você se orgulhe. um dia. não hoje. hoje eu só quero dormir.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s