fluxo de consciência I

a gente bate no peito pra falar que é artista que respira arte que não sabe viver sem música que o texto sai por onde a cabeça nem passa e que tudo passa mas a poesia prevalece a gente bate no peito pra falar que vive de escrita e que tudo que aconteceu na vida foi documentado em alguma escala a gente ama pra escrever a gente respira pra escrever bebe pra escrever fuma pra escrever respira fundo pra escrever inspira pelo nariz solta pela boca e no final da expiração escreve um poema a gente vê uma placa e escreve um poema a gente passa um café e escreve um poema a gente acende uma vela aromatizada e escreve um poema sobre o cheiro que sai da chama da vela que acendeu no momento do fim do dia que a gente entendeu o que adélia prado queria dizer quando escreveu que de vez em quando deus tira a poesia porque a gente apesar de ser artista escritor poeta nem alegre nem triste apenas poeta a gente olha pra pedra e como adélia disse a gente só vê pedra e aí não sai poema algum.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s